Estudo 5 – Em cada oração, podemos experimentar o acolhimento do Pai

Nossas orações nunca são um fardo para nosso Pai. Ele se deleita em nos ouvir e é honrado por nossas orações.

Não devemos pensar na oração como uma tarefa que temos de realizar. Oração é uma maneira de relacionar-se com uma pessoa e de desfrutar de nosso relacionamento com ela. Deus é um Pai amoroso que tem prazer em nos ouvir e a oração é a nossa oportunidade de passar tempo com ele.

COLOCANDO EM PRÁTICA
Nós oramos a um Pai que ama nos ouvir. Assim, durante a próxima semana, comece todas as suas orações com as palavras “Meu Pai”. Ou, se estiver orando com outras pessoas, “Nosso Pai”. Alguns de vocês começam
suas orações com alguma variação de “Deus” ou “Senhor”. Não há nada de errado nisso. Mas tente isto: com as suas palavras e de coração, comece dizendo “Meu Pai”. Se já faz assim, então tente fazer uma pausa ao dizer
a palavra “Pai”, a fim de realmente apreciar o significado de ser um filho de Deus.

AÇÃO
Cada vez que orar nesta semana, comece dizendo “Meu Pai” ou “Nosso Pai”.
Uma manhã de segunda-feira na vida de Marcos e Emanuela.
Dez minutos depois, Emanuela dá uma mordida na torrada enquanto abre sua Bíblia. Ela lê alguns versículos e então fecha os olhos para orar: “Pai, que Marcos tenha um bom dia no trabalho. Por favor, abençoa…”. E então, Jaime invade o quarto. “Onde está o meu suéter da escola?”. Samuel não faz diferente. “A senhora viu meu dever de casa?”. E Pedrinho… Onde está Pedrinho?
“Sam, você procura o suéter de Jaime. Jaime, você procura o dever de casa de Sam. Eu vou atrás de Pedrinho.” Mais um momento de oração interrompido. Mas Emanuela segue orando enquanto sobe as escadas. “Obrigado, Pai, porque estás sempre aqui, sempre pronto a ouvir, mesmo quando minhas orações são um tanto bagunçadas”.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO
• O que você pensa sobre Deus Pai? Você pensa nele como alguém bondoso?
• Olhe para a Oração do Senhor — a oração que Jesus nos ensinou no Sermão do Monte (Mt 6.9–13). Que diferença faz enxergar cada linha como a petição de um filho ao seu Pai?
• Liste as razões pelas quais alguém pode hesitar em orar a Deus.
• Liste as razões pelas quais, assombrosamente, não precisamos hesitar em orar.

Guia de Estudo EXPERIMENTANDO MAIS DE DEUS, por Tim Chester – Editora Fiel

Degrau 2 – Confissão e Oração

Na semana passada vimos a importância da santidade no cumprimento de uns com os outros. Espero que você tenha subido esse degrau.

Mas também espero que você tenha guardado fôlego para essa semana porque ao que me parece, será bastante puxada, e, sinceramente, não quero que você fique para trás, eu quero que suba mais um degrau.

Então vamos para o 2º degrau: Orai uns pelos outros, para que sareis. Tg 5.16

A partir do versículo 7, Tiago incentiva os cristãos a perseverarem na fé até a vinda de Cristo. Para isso, ele propõe uma vida de harmonia entre os cristãos, caso o contrário, eles seriam punidos no dia do juízo de Cristo. Entendendo as angústias humanas e suas dificuldades, Tiago aponta para o remédio. O remédio é a oração (vv. 13-16). Mas a maior doença que Tiago apresenta é o pecado. O pecado afeta o homem por inteiro. É a oração que salvará, ela produzirá alívio e cura de todo o problema causado pelo pecado.

Tiago então mostra o papel que temos dentro da comunidade cristã que é cuidar uns dos outros. Observe que no versículo 16, Tiago usa dois imperativos: Confessai e orai. É importante constar que: o pecado não apenas separa o homem de Deus, mas aqui no texto, Tiago mostra que o pecado é um destruidor da comunidade cristã (v. 9). O versículo 16 vem mostrar que devemos deixar o pecado através da confissão e em seguida, orar um pelo outro.

O que isso quer dizer? Quer dizer que a comunidade cristã deve cuidar uns dos outros. O apelo para a confissão que Tiago propõe não possui uma intenção de julgamento ou acusação, mas de expor ao irmão a fraqueza pessoal para que ela possa ser tratada por meio da oração. Pelos menos três coisas está em evidência:

1. O cuidado mútuo;
2. A necessidade de abandonar o pecado;
2. O remédio que é a oração.

Tiago é tão fantástico que ele não nos constrange. Ele nos faz essa admoestação, porém, de modo consolador. Ele mostra que crente não é super herói, crente também possui falhas. No versículo 17, Tiago cita Elias como um homem comum e falho, tão falho como nós somos. Tão sujeito aos erros como eu e você, mas Tiago deixa claro também, que foi por meio da oração que esse homem comum, falho e imperfeito pediu a Deus a chuva e o Senhor o atendeu.

Gostaria propor três coisas importantes para subirmos o degrau dessa semana:

1. A primeira coisa é: puxe o fôlego, respire fundo mesmo e suba esse degrau.
2. Se houver necessidade de confessar algum pecado, não tenha vergonha, chame um irmão que seja mais próximo de você e abra o seu coração. Não que esse irmão tenha o poder ou a autoridade para te perdoar, mas ele tem para orar com você e por você.
3. Esteja ciente de que a oração é o remédio que cura o povo de Deus. Portanto, devemos orar. Ore por você, por sua família e principalmente, ore por sua igreja. Ore uns pelos outros.

Vamos cuidar uns dos outros através da oração e do companheirismo na caminhada cristã. Se fizermos isso, subimos mais um degrau.

Deus te abençoe, forte abraço. Eu te aguardo para subirmos mais um degrau na semana que vem!

Sem. Ednardo Guimarães

Tempo de aprender – Lucas 2.52

O que você tem aprendido sobre a Bíblia, sobre Deus e sua ação? Aproveite este momento para resgatar com as crianças os ensinamentos bíblicos da Escola Dominical e do Turma da Hora. Reserve um momento com sua criança, invista em sua vida espiritual!

Estamos no mês de outubro, o famoso mês das crianças! Jesus também foi uma criança e, possivelmente, igual a todas as que temos aqui na igreja e em nossas famílias. Lucas, ao escrever o Evangelho, fez questão de ressaltar o crescimento do menino Jesus. Nesta ocasião, Jesus estava completando doze anos e o texto está intimamente ligado às expectativas e sonhos de uma criança em crescimento como as nossas. “Jesus ia crescendo em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens”.

O Jesus criança cresceu não como um menino-prodígio, mas como um ser humano igual a nós, exceto no que se refere ao pecado. Ele teve uma infância normal e saudável no convívio com seus familiares e amigos na cidadezinha de Nazaré. Todos os anos, os pais de Jesus peregrinavam à Jerusalém para participar da festa da Páscoa. Desta vez, Jesus completava doze anos e com essa idade, o menino judeu se tornava “filho da Lei” e membro pleno da Sinagoga.
Você sabia que… Jesus passou por todas as etapas da vida de um ser humano?
Para a criança responder: Quais atitudes podemos ver em você que demonstra seu
crescimento?
Ore para que você cresça diante de Deus e dos homens.

O nosso texto diz que à medida que Jesus crescia, ele se desenvolvia em sabedoria. As
perguntas de Jesus deixaram os Mestres da Lei admirados, não eram perguntas tolas e Jesus não debatia com eles, mas buscava um entendimento das questões espirituais com mais profundidade. Um dos aspectos da sabedoria é a saúde mental e Jesus foi uma criança que cresceu em saúde mental.
Você sabia que… a sabedoria produz o melhor uso da nossa capacidade intelectual.
Para a criança responder: O que você tem feito para crescer em sabedoria?
Ore para que Deus abençoe sua escola (professores, amigos, diretores).

A palavra utilizada por Lucas para se referir à estatura pode ter dois significados: estatura física, referindo-se ao fato de que Jesus crescia em tamanho, e maturidade, apontando para o fato de que Jesus se tornava mais maduro a cada dia. Quando temos uma condição de saúde favorável, espera-se naturalmente um desenvolvimento físico e intelectual. Basta se alimentar corretamente e evitar o sedentarismo para ver o crescimento.
Você sabia que… somos pessoas em construção?
Para a criança responder: Como você tem crescido em estatura?
Ore por sua saúde e desenvolvimento.

Agora resta-nos tratar do crescimento em “graça” diante de Deus e dos homens lembrando que nossa meta é sermos transformados dia a dia à semelhança de Jesus, afinal se afirmamos ser cristãos, devemos ser como Cristo. Jesus se relacionava com diferentes tipos de pessoas. Ele atraia a atenção de muita gente e sabia lidar com as autoridades, com os mais velhos e com os menos favorecidos.
Você sabia que… o menino Jesus demonstrava respeito às autoridades?
Para a criança responder: Qual é sua atitude diante dos mais velhos, dos seus amigos e das autoridades sobre você?
Ore para que Deus ensine você a ser uma pessoa cheia de graça.

Ministério Infantil Terceira Igreja