Degrau 2 – Confissão e Oração

Na semana passada vimos a importância da santidade no cumprimento de uns com os outros. Espero que você tenha subido esse degrau.

Mas também espero que você tenha guardado fôlego para essa semana porque ao que me parece, será bastante puxada, e, sinceramente, não quero que você fique para trás, eu quero que suba mais um degrau.

Então vamos para o 2º degrau: Orai uns pelos outros, para que sareis. Tg 5.16

A partir do versículo 7, Tiago incentiva os cristãos a perseverarem na fé até a vinda de Cristo. Para isso, ele propõe uma vida de harmonia entre os cristãos, caso o contrário, eles seriam punidos no dia do juízo de Cristo. Entendendo as angústias humanas e suas dificuldades, Tiago aponta para o remédio. O remédio é a oração (vv. 13-16). Mas a maior doença que Tiago apresenta é o pecado. O pecado afeta o homem por inteiro. É a oração que salvará, ela produzirá alívio e cura de todo o problema causado pelo pecado.

Tiago então mostra o papel que temos dentro da comunidade cristã que é cuidar uns dos outros. Observe que no versículo 16, Tiago usa dois imperativos: Confessai e orai. É importante constar que: o pecado não apenas separa o homem de Deus, mas aqui no texto, Tiago mostra que o pecado é um destruidor da comunidade cristã (v. 9). O versículo 16 vem mostrar que devemos deixar o pecado através da confissão e em seguida, orar um pelo outro.

O que isso quer dizer? Quer dizer que a comunidade cristã deve cuidar uns dos outros. O apelo para a confissão que Tiago propõe não possui uma intenção de julgamento ou acusação, mas de expor ao irmão a fraqueza pessoal para que ela possa ser tratada por meio da oração. Pelos menos três coisas está em evidência:

1. O cuidado mútuo;
2. A necessidade de abandonar o pecado;
2. O remédio que é a oração.

Tiago é tão fantástico que ele não nos constrange. Ele nos faz essa admoestação, porém, de modo consolador. Ele mostra que crente não é super herói, crente também possui falhas. No versículo 17, Tiago cita Elias como um homem comum e falho, tão falho como nós somos. Tão sujeito aos erros como eu e você, mas Tiago deixa claro também, que foi por meio da oração que esse homem comum, falho e imperfeito pediu a Deus a chuva e o Senhor o atendeu.

Gostaria propor três coisas importantes para subirmos o degrau dessa semana:

1. A primeira coisa é: puxe o fôlego, respire fundo mesmo e suba esse degrau.
2. Se houver necessidade de confessar algum pecado, não tenha vergonha, chame um irmão que seja mais próximo de você e abra o seu coração. Não que esse irmão tenha o poder ou a autoridade para te perdoar, mas ele tem para orar com você e por você.
3. Esteja ciente de que a oração é o remédio que cura o povo de Deus. Portanto, devemos orar. Ore por você, por sua família e principalmente, ore por sua igreja. Ore uns pelos outros.

Vamos cuidar uns dos outros através da oração e do companheirismo na caminhada cristã. Se fizermos isso, subimos mais um degrau.

Deus te abençoe, forte abraço. Eu te aguardo para subirmos mais um degrau na semana que vem!

Sem. Ednardo Guimarães

Conectados na Videira

Nessa nova série de pregações, a figura da videira era bem conhecida como um simbolismo de Israel. Isaías, Jeremias e Ezequiel usaram o mesmo simbolismo para demonstrar que o Senhor havia plantado uma videira (Israel) e esperava que desse bons frutos, mas essa videira havia se degenerado e, nesse estado, fora rejeitado por Deus.

Cristo aplica a si mesmo a figura da videira, afirmando que os tempos messiânicos haviam chegado. Ao declarar “Eu sou a videira” ele estava pondo a descoberto o fracasso de Israel em cumprir sua missão, tendo-se transformado numa videira seca, sem vida. Num certo sentido, o Israel verdadeiro passaria a ser representado pelos cristãos, gentios e judeus, um Israel espiritual, nascido não segundo a carne. Isso não exclui uma futura redenção de Israel (Rm 11).

Nos vv. 2-6, Jesus apresenta o Pai como o agricultor e aquele que limpa os ramos para produzirem frutos de boa qualidade. Os ramos precisam estar ligados ao tronco, sendo alimentados por ele para se manter vivos. Sem mim, nada podeis fazer, afirma Jesus. Os ramos secos, isto é, os cristãos que não se alimentam espiritualmente através de uma comunhão constante com Cristo perdem a capacidade de produzir frutos, tornando-se inúteis.  Isso nos faz refletir em três lições importantes:

1- Precisamos entender nossa missão como igreja em tempos de crise;

2- Como ramos conectados na videira, precisamos dar frutos – em tempo de crise, podemos produzir excelentes frutos;

3- Como fruto conectado na videira, há uma promessa de Deus sobre sua vida, “salvação”, essa promessa dispões que em Deus, muito pode se fazer.

Em todo o mundo, o evangelho está se espalhando, se propagando, crescendo, florescendo e produzindo frutos. Pessoas ouvem o evangelho e, pela misericórdia de Deus, respondem e são salvas. Mas não para aí. Uma vez que o evangelho é plantado e se enraíza na vida de pessoas, continua crescendo nelas. Suas vidas produzem fruto. Elas crescem em amor, piedade, conhecimento e sabedoria espiritual, para que andem de uma maneira digna de sua vocação, agradando em tudo ao Pai, produzindo fruto em toda boa obra (Cl 1.9-10; 2.6-7).

Diante disso, gostaria de encorajar você, nessa nova série a permanecer conectado na palavra de Deus todos os domingos às 18h00, e juntos possamos nos alimentar como ramos ligados a videira “Jesus Cristo”, e descobrir através da ação do Espirito Santos os belos frutos que podemos dar.

Pr. Felipe Abreu

O que significa ser um membro da igreja?

Em Atos 2.37-47 há um registro numérico daqueles que professaram a Cristo e foram cheios do Espírito Santo. Já em 1 Timóteo 5.3-16, a igreja local em Éfeso é organizada e eles estão elaborando um plano. Assim, parece haver evidência de uma membresia de igreja comprometida em um nível local, de onde vem a pergunta: o que significa ser um membro da igreja comprometido?

• Ameis uns aos outros (João 13.34-35). A igreja é o único lugar onde podemos mostrar amor uns aos outros. É na igreja que o nosso amor se torna aparente ao mundo.

• Encorajeis uns aos outros (Hebreus 10.24-25). Uma membresia de igreja fiel está associada a estimularmos uns aos outros.

• Um pacificador (Romanos 14.19). Isso nos descreve como membros? Como isso seria na prática?

• Edifica os outros (Efésios 4.11-16). É por isso que os membros se reúnem. Para desenvolver uns aos outros e edificar uns aos outros.

• Suporta uns aos outros (Romanos 15.1). Todos os crentes são caracterizados pela longanimidade e paciência.

• Apoia a obra do ministério (Romanos 12.6-8). Todos os nossos esforços e talentos deveriam ser empregados na vida da igreja.

O problema para muitos de nós é que não damos valor à igreja local. Não damos valor à comunhão. Escute esta citação: “É pela graça de Deus que uma congregação é autorizada a se reunir visivelmente neste mundo para compartilhar a palavra e o sacramento de Deus. Agradecer a Deus de joelhos e declarar: é graça, nada mais que graça sermos autorizados a viver em comunidade com irmãos cristãos.” (Boenhoffer)

* Por Mez McConnell em voltemosaoevangelho.com.

Deus usa igrejas comuns

Ao longo de sua história, a igreja tendeu a se enxergar como extraordinária. Por exemplo, no período medieval, a igreja era um lugar extraordinário à parte do mundo, o sagrado separado do profano, o lugar de salvação, a detentora dos mistérios do céu.

Uma das principais contribuições da Reforma e do protestantismo em geral tem sido a sua ênfase no aspecto comum da igreja. É bem certo que João Calvino aprovaria a observação de Cipriano que a igreja é a nossa mãe e
que “longe de seu seio, não se pode esperar qualquer perdão dos pecados ou qualquer salvação”, ou como a Confissão de Fé de Westminster ensina: “a Igreja visível […] é o Reino do Senhor Jesus Cristo, a casa e família de
Deus, do qual não há possibilidade de salvação” (25.2).


A igreja é o lugar normal da graça de Deus. Entretanto, a graça de Deus não vem através de uma exibição extraordinária; em vez disso, Deus usa sua igreja comum para sustentar e nutrir crentes através de ministério,
pessoas e meios comuns.

É importante que o povo de Deus participe de sua igreja cristã comum, dia do Senhor após dia do Senhor, a fim de usar esses meios comuns de graça. E quando nos comprometemos com esta igreja cristã comum, Deus faz coisas extraordinárias. Ele concede misericórdia e graça, ele ilumina nossas mentes e orienta nossas vontades, ele chama eficazmente e justifica, ele santifica seus filhos adotivos, e ele os leva com segurança para seu lar.

Assim, Deus não nos chama para dar o primeiro lugar à conferência, podcast, livro ou revista, que são úteis, porém extraordinárias. Antes, ele nos chama a amar sua igreja cristã, bela, comprada por sangue e comum.

*Por Dr. Sean Michael Lucas

Coisas grandiosas!

“Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres. Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto. Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes.” Sl.126.3-6

Fim de ano, momento de fazermos aquela retrospectiva e quando olhamos para trás, vemos tudo ou quase tudo que aconteceu neste ano. Foram momentos marcantes, tempos memoráveis, mas também aqueles períodos de sofrimento, de dor, problemas e até mesmo o vale da sombra da morte!

Um ano que está ficando na historia! Não só porque estamos a poucos dias de seu fim, mas por todas as coisas grandiosas que o Senhor fez por nós. É tempo de cantos de alegria, é hora de trazermos nossos feixes! Mesmo que tenhamos chorado, mesmo que incluamos em nossa lista ocasiões difíceis de lágrima e choro, podemos estar alegres com os feitos do Pai!

Como é bom chegar ao fim de mais um ano com este sentimento e esta certeza de que o Senhor encheu os ribeiros no meio do deserto! Este é o nosso Deus, o Emanuel, o Deus conosco! Aquele que fez a Sua glória nascer sobre nós e ao nos levantarmos e resplandecermos vimos a Sua luz em nossas casas, famílias, igreja e comunidade.


É muito bom olhar para o que passou e ter os nossos corações cheios de esperança! É bom também olhar para frente e continuar rumo ao alvo! Recalcule a sua rota para que nesse novo ano, que está chegando possamos continuar experimentando a boa, agradável e perfeita vontade de Deus!

Desejo a você um feliz natal e um ótimo caminho em 2020.

Pr. Lemuel Rodrigues