O Senhor da redenção

Domingo de Páscoa, uma ótima oportunidade para meditarmos no senhorio de Jesus. Ele é o Senhor da criação, das nações e da nossa Redenção – palavra que vem de lutron, no grego, e significa preço de soltura, preço de resgate. É o mesmo que redimir, libertar pelo pagamento de um preço, sendo assim, Redenção é libertar pagando um preço.

Ao escrever a carta aos Efésios, Paulo fala da graça, da salvação e dos propósitos de Deus para o homem. Assim percebemos que a redenção tem a ver com tudo isso e com o fato de Deus proclamar justiça em Jesus por meio de sua misericórdia, por isso dizemos que somos redimidos nEle.

Paulo diz que Deus nos escolheu antes da criação para sermos santos e irrepreensíveis, e completa que, em amor, Deus nos adotou como filhos. Deus já tinha decidido nos redimir e nos escolher para sua glória na eternidade, Ele nos amou de forma incondicional.

O preço da Redenção já foi pago, somos libertos do pecado, que tenazmente nos acedia todos os dias, para vivermos para a vontade de Deus convergindo tudo para a plenitude dos tempos em Jesus que apagou tudo do passado e do futuro, além de nos revelar sua vontade para cumprirmos nosso propósito presente nEle.

Nossa Redenção é nossa maior herança e para ela fomos selados. Do mesmo modo que o selo é a garantia de que a carta será entregue, temos o selo do Espírito Santo em nós como a garantia de que seremos entregues à Redenção.

Portanto, a redenção é a libertação da natureza pecaminosa. Essa libertação é baseada no pagamento feito por Jesus Cristo, o Redentor, que morreu no lugar dos quais ele redimiu tornando-os justificados diante de Deus.

Feliz Páscoa!Pr. Lemuel Rodrigues

Páscoa, um caminho de reconciliação!

“Tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação.” 2 Co.5.18

Como Deus é capaz de reconciliar consigo o homem?

Em primeiro lugar, porque Jesus fez justiça ao morrer na cruz. Não há reconciliação sem justiça e esta foi feita com Jesus se tornando servo e morrendo no lugar do pecador, daquele que não foi capaz de cumprir sua parte no acordo e precisou ser reconciliado. Este sou eu e você! Nossa condição diante de Deus é tão precária que não há possibilidade de uma reconciliação entre as partes, sendo assim Jesus resolveu por si mesmo.

A reconciliação também é possível porque Deus não leva em conta nosso pecado que anestesiando nossa alma e consciência faz com que vivamos sem dar conta da maneira como estamos vivendo. O pecado está muito além de uma conduta moral, mas ao invés de Deus nos deixar à mercê da nossa própria sorte, assume a nossa dívida, não levando em conta nossos pecados, mas nos reconciliando com Ele mesmo através de Jesus.

Tudo isto é um ministério que fica mais evidente quando nos tornamos embaixadores da reconciliação. Após sermos reconciliado com Deus, assumimos o papel de representar Jesus no processo de se reconciliar com os outros através de um amor que nos constrange e reconcilia o homem pecador com um Deus justo. Este é o ministério da Páscoa, da Reconciliação!

Pr. Lemuel Rodrigues