Ajuste o seu foco

Quando você está a procura de algum item nas prateleiras de um supermercado, quando não consegue encontrar seu carro no estacionamento, ou quando não consegue encontrar o caminho de casa, você está precisando ajustar o seu foco. As vezes nossa dificuldade é conseguir concentrar nossa visão em um ponto que é mais importante, para, a partir dele, enxergar os cenário maior.

Quando olhamos para o cântico de Zacarias percebemos que todo seu louvor está conectado com um ponto específico que dirige sua maneira de enxergar a vida e compreender o sentido das coisas. Hoje somos uma geração difusa demais, fazemos, pensamos, assistimos muitas coisas ao mesmo tempo, respondemos as pessoas nos grupos de WhatsApp, lemos o e-mail e trocamos duas ou três palavras com quem estiver perto de nós.

Olhamos em todas as direções, porém, sem encontrar algo que possa dar sentido a todas as coisas, vivemos navegando num oceano digital, mas sem leme, sem vela, sem bússola, sem destino, ao léu, seguindo o fluxo da nova corrente marítima, do novo assunto, da nova moda, da nova “treta” midiática que ocupa a atenção dos comentários gerais.

Contudo, há sim algo no qual podemos nos firmar, há um ponto que devemos nos focar, em Deus e sua obra de redenção. É este o mais importante foco que dá sentido a nossa existência, é isto que Deus está realizando através da obra de seu Filho Jesus, revelando seu caráter e seu plano para nós. Zacarias se foca nisso para declarar seu louvor inspirado pelo Espírito Santo.

Ele focaliza o poder de Deus para resgatar nossa vida das garras do pecado, porque eu e você não podemos nos libertar sozinhos. Ele lembra da fidelidade de Deus em cumprir todas as suas promessas, nos habilitando para o servir todos os dias de nossa vida, saindo das mãos da tirania do pecado para sermos propriedade do bondoso Rei. Ele exalta a misericórdia de Deus em abrir nossos olhos para a terrível realidade do nosso pecado, oferecendo nova vida, luz e direção no caminho da paz.

Se você tem se sentido perdido, desmotivado, como se nada fizesse sentido para você, talvez hoje você precise ajustar seu foco para Cristo e sua redenção, confiando no poder de Deus e não em sua própria força, seguro em sua fidelidade que te capacita para encontrar seu propósito em servi-lo e descansando em sua misericórdia que te guia no caminho da paz. Que seu foco esteja nessa maravilhosa redenção.

Jesus te abençoe! Pr. Eduardo Nunes

Compreendendo o evangelho

“Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo” Filipenses 3.7 

É bem comum, ver uma criança perder total interesses pelos muitos brinquedos que já possuí, quando ganha outro brinquedo novo. Para a tristeza (para não dizer falência) dos pais as crianças se cansam de seus presentes bem mais rápido que desejamos, e a alegria que irradiam quando ganham um presente logo se dissipa no passar dos dias.

As coisas não mudam muito quando ficamos mais velhos, sonhamos, trabalhamos e conquistamos diplomas, empregos, carreiras, famílias, bens, para tão logo, mergulhados em monotonia, corrermos atrás de outros “brinquedos” mais interessantes. Este é um ciclo natural de muitas vidas, andamos buscando algo que nos satisfaça, nos complete, nos dê sentido na vida, mas fatalmente descobrimos que quanto mais tentamos tapar esse buraco na alma com as coisas desse mundo, maior ele fica, até que um dia devora nossa alegria e vigor.

O evangelho é a boa notícia de que há sim, algo incomparável, grande o suficiente para preencher nosso vazio, belo o suficiente para nunca deixar de arrebatar nosso coração, algo que, quando ganhamos, todo o resto perde o valor e jamais nos casaremos de nos deleitar nele, sim! Existe algo assim, ou melhor, alguém, Jesus. Paulo teve muitas glórias e honras desse mundo antes de Cristo, mas nenhuma delas tinha o poder de preencher sua alma, ele tinha tudo o que poderia desejar, mas ainda assim estava perdido, mas se encontrou em Jesus (Fp.3.9a).

Compreendemos o evangelho quando percebemos que todo o lucro desse mundo não pode se comparar com a preciosidade de Cristo em nós. Todos os tesouros desse mundo podem ser tirados de você, sua beleza, juventude, títulos, bens, saúde, etc. Mas, o que Jesus te oferece nada nem ninguém pode tirar de você, a redenção de uma vida perdida, a abundância de uma vida satisfeita n´Ele e a eternidade de uma vida que será sustentada por Ele na restauração de todas as coisas. Creia nesse evangelho, sirva a Jesus e descubra o verdadeiro tesouro que de Deus para você.

Jesus te abençoe! Pr. Eduardo Nunes

Conectados na Videira

Nessa nova série de pregações, a figura da videira era bem conhecida como um simbolismo de Israel. Isaías, Jeremias e Ezequiel usaram o mesmo simbolismo para demonstrar que o Senhor havia plantado uma videira (Israel) e esperava que desse bons frutos, mas essa videira havia se degenerado e, nesse estado, fora rejeitado por Deus.

Cristo aplica a si mesmo a figura da videira, afirmando que os tempos messiânicos haviam chegado. Ao declarar “Eu sou a videira” ele estava pondo a descoberto o fracasso de Israel em cumprir sua missão, tendo-se transformado numa videira seca, sem vida. Num certo sentido, o Israel verdadeiro passaria a ser representado pelos cristãos, gentios e judeus, um Israel espiritual, nascido não segundo a carne. Isso não exclui uma futura redenção de Israel (Rm 11).

Nos vv. 2-6, Jesus apresenta o Pai como o agricultor e aquele que limpa os ramos para produzirem frutos de boa qualidade. Os ramos precisam estar ligados ao tronco, sendo alimentados por ele para se manter vivos. Sem mim, nada podeis fazer, afirma Jesus. Os ramos secos, isto é, os cristãos que não se alimentam espiritualmente através de uma comunhão constante com Cristo perdem a capacidade de produzir frutos, tornando-se inúteis.  Isso nos faz refletir em três lições importantes:

1- Precisamos entender nossa missão como igreja em tempos de crise;

2- Como ramos conectados na videira, precisamos dar frutos – em tempo de crise, podemos produzir excelentes frutos;

3- Como fruto conectado na videira, há uma promessa de Deus sobre sua vida, “salvação”, essa promessa dispões que em Deus, muito pode se fazer.

Em todo o mundo, o evangelho está se espalhando, se propagando, crescendo, florescendo e produzindo frutos. Pessoas ouvem o evangelho e, pela misericórdia de Deus, respondem e são salvas. Mas não para aí. Uma vez que o evangelho é plantado e se enraíza na vida de pessoas, continua crescendo nelas. Suas vidas produzem fruto. Elas crescem em amor, piedade, conhecimento e sabedoria espiritual, para que andem de uma maneira digna de sua vocação, agradando em tudo ao Pai, produzindo fruto em toda boa obra (Cl 1.9-10; 2.6-7).

Diante disso, gostaria de encorajar você, nessa nova série a permanecer conectado na palavra de Deus todos os domingos às 18h00, e juntos possamos nos alimentar como ramos ligados a videira “Jesus Cristo”, e descobrir através da ação do Espirito Santos os belos frutos que podemos dar.

Pr. Felipe Abreu

O Senhor da redenção

Domingo de Páscoa, uma ótima oportunidade para meditarmos no senhorio de Jesus. Ele é o Senhor da criação, das nações e da nossa Redenção – palavra que vem de lutron, no grego, e significa preço de soltura, preço de resgate. É o mesmo que redimir, libertar pelo pagamento de um preço, sendo assim, Redenção é libertar pagando um preço.

Ao escrever a carta aos Efésios, Paulo fala da graça, da salvação e dos propósitos de Deus para o homem. Assim percebemos que a redenção tem a ver com tudo isso e com o fato de Deus proclamar justiça em Jesus por meio de sua misericórdia, por isso dizemos que somos redimidos nEle.

Paulo diz que Deus nos escolheu antes da criação para sermos santos e irrepreensíveis, e completa que, em amor, Deus nos adotou como filhos. Deus já tinha decidido nos redimir e nos escolher para sua glória na eternidade, Ele nos amou de forma incondicional.

O preço da Redenção já foi pago, somos libertos do pecado, que tenazmente nos acedia todos os dias, para vivermos para a vontade de Deus convergindo tudo para a plenitude dos tempos em Jesus que apagou tudo do passado e do futuro, além de nos revelar sua vontade para cumprirmos nosso propósito presente nEle.

Nossa Redenção é nossa maior herança e para ela fomos selados. Do mesmo modo que o selo é a garantia de que a carta será entregue, temos o selo do Espírito Santo em nós como a garantia de que seremos entregues à Redenção.

Portanto, a redenção é a libertação da natureza pecaminosa. Essa libertação é baseada no pagamento feito por Jesus Cristo, o Redentor, que morreu no lugar dos quais ele redimiu tornando-os justificados diante de Deus.

Feliz Páscoa!Pr. Lemuel Rodrigues