Os privilégios de participar de um Pequeno Grupo

Zabatiero explica o que são um Pequenos Grupos (PG’s) dizendo que eles são:

ferramentas educacionais e ministeriais indispensáveis. O pequeno grupo é espaço privilegiado para o estudo bíblico, para a oração, para o serviço mútuo, para a evangelização. Mais que “transmitir conteúdos”, a vida em comunhão dos pequenos grupos é algo que educa. No pequeno grupo não é possível “esconder-se”, mantendo-se inativo e dependente do ministério de outros. No pequeno grupo, o dar e o receber da fé se tornam reais, de um modo que a grande reunião cúltica não é capaz de concretizar.1  

Por isso, consideramos que a existência de cada PG é importante para a igreja. Esse é o método adotado pela Terceira Igreja, visando a qualidade espiritual e doutrinária dos seus membros, o cuidado mútuo e a proclamação da glória de Deus por meio do exercício prático extraído do ensino das Escrituras. Conforme disse Tuler, “se a igreja local quiser assumir a responsabilidade docente de todos os seus membros, deverá adotar uma prática de educação cristã que envolva todas as suas unidades, serviços e departamentos”.⁠2 

Ficou claro que os PG’s podem ser um veículo de edificação para o corpo de Cristo, pois além de promover o conhecimento acerca de Deus, também oferece a oportunidade de praticar o que foi ensinado pela Escritura.  

Em obediência a Palavra de Deus vamos juntos: conhecer cada vez mais a Bíblia, ensiná-la, cuidar uns dos outros, louvar a Deus com alegria e gratidão, pois assim está escrito: Habite ricamente em vocês a palavra de Cristo; ensinem e aconselhem-se uns aos outros com toda a sabedoria, e cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus em seu coração (Cl. 3.16, NVI). 

Portanto, faça parte de um Pequeno Grupo! Pois, além do privilégio de conhecer melhor a Deus, poderá cuidar de algum irmão e, igualmente, ser cuidado por alguém.   

Sem. Ednardo Guimarães

ZABATIERO, Júlio. Novos caminhos para a educação cristã. São Paulo: Hagnos, 2009, p. 59.TULER, Marcos. Abordagens e Práticas da Pedagogia Cristã. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 102.

Os feitos de Jesus – João 1.1-14

Terminamos o ano com a convicção de que realmente 2019 foi um anos de milagres e por isto podemos desenvolver uma atitude de louvor.

Esperamos louvar somente o extraordinário, o acontecimento único, mas esquecemos de cultivar uma postura de louvor, algo que não fazemos espontaneamente, mas pode ser aprendido.

Louvar é elogiar, elevar com palavras os feitos de alguém. O louvor deve ser motivado na alma após um impulso de ter recebido algo, um feito ou um presente. As pessoas podem ser louvadas, mas existe alguém que merece todo nosso louvor.

João, autor do evangelho que leva seu próprio nome, destaca 4 feitos de Jesus pelos quais podemos elogiá-lo ou louvá-lo.

Seu primeiro feito é a Criação. João deixa claro que Jesus é Deus ao chama-lo de Verbo, um conceito grego e judeu para se referir à Deus como aquele que vem antes de todas as coisas. Jesus é Deus no sentindo mais pleno e todas as coisas foram criadas por intermédio e através dEle, afinal Jesus é a vida.

O segundo é a Salvação. João emprega a palavra luz como iluminação espiritual. Após a criação veio a Queda, simbolizada pelas trevas, com ela tudo ficou escuro e sem Deus e o ser humano passou a caminhar no escuro, mas veio Jesus e trouxe a luz da salvação que ilumina todos os homens.

Adoção é o terceiro feito. Ser membro da família de Deus só se dá pela graça. Podemos receber Jesus, crer no nome dele e por Ele ser de Deus, somos admitidos em sua família. Ser da família de Deus não é algo que se faz naturalmente, nem por vontade, mas vem de Jesus.

O quarto feito é a Encarnação. Jesus, o Verbo, existe antes da fundação do mundo, mas por amor a nós, se fez carne, tornou-se um de nós e nos mostrou sua glória através de seus milagres, morte e ressurreição, sempre cheio de graça e de verdade.

Que este ano termine trazendo a você momentos de louvor a Jesus por seus grandes e poderosos feitos. Precisamos aprender a louvar em todas as circunstâncias. O louvor abre portas, traz recursos. Vivemos dias em que a tendência é nos tornarmos amargos, infelizes, desiludidos, frustrados, tristes, assumimos uma postura de dizer mal daquilo que temos e podemos combater isto com um espírito de louvor.

Boas Festas e um Feliz Ano Novo! Seus pastores..