Estudo 3 – Em cada prazer, podemos experimentar a generosidade do Pai

Dar graças é um ato poderoso. Temos muita facilidade em nos concentrar naquilo que nos falta e em nos sentir descontentes. Milhares de anúncios publicitários são elaborados para reforçar esse sentimento, a fim de comprarmos os produtos que eles oferecem. Mas a gratidão redireciona nossos pensamentos das quinquilharias que nos faltam para as bênçãos maravilhosas que já possuímos. O nascer do sol, o canto dos pássaros e a
amizade estão aí, esperando para serem desfrutados e apreciados — tudo sem custo nenhum. Sem falar nas bênçãos que são nossas enquanto filhos de Deus. A chave que destranca esse tesouro de alegria é a gratidão.

Mais importante, a gratidão ergue nossos olhos das dádivas e nos faz ver o Doador. Em outras palavras, a gratidão nos conduz a Deus.

COLOCANDO EM PRÁTICA
Todas as coisas de que desfrutamos, diz Calvino, são “degraus pelos quais [podemos] subir para mais perto dele [de Deus]”; “Deus”, ele diz, “por meio de seus benefícios, amavelmente nos atrai a si, como que por meio do sabor de sua doçura paternal”. Mas Calvino também adverte: “Não há nada em que mais facilmente caímos do que em esquecê-lo, quando desfrutamos de paz e conforto”.

Pense na semana que passou e relembre-se de todas as boas coisas de que você desfrutou. Identifique cinco coisas pelas quais agradecer. Um número específico o ajudará a pensar com mais afinco em como Deus tem sido bondoso para com você. Imagine cada uma delas sendo-lhe concedida como uma dádiva do seu Pai celeste. Uma maneira de nos relacionarmos com o Pai é receber essas coisas como dádivas dele — e agradecer a ele por elas; buscar respostas de orações; contar às outras pessoas como ele tem nos sustentado; celebrar cada coisa boa como provisão dele.

AÇÃO
A cada dia nesta semana, lembre-se de algo que faz você feliz e ore: “Meu Pai, obrigado por isto, pois é uma adorável dádiva de tuas mãos”.
Uma manhã de segunda-feira na vida de Marcos e Emanuela
Segunda de manhã. O dia começou muito bem. Ainda levitando pela experiência do dia anterior na igreja, Marcos se senta à mesa para comer um sanduíche de bacon. As crianças brincam tranquilamente na sala de estar. Ele leva um café para Emanuela na cama e a beija gentilmente na bochecha. Lá fora, o sol brilha e os pássaros cantam. Será que a vida poderia ser melhor que isso?

Enquanto Marcos caminha pela rua, ele diz: “Meu Pai, obrigado por aquele sanduíche de bacon. Que delícia! Esta bela manhã é um adorável presente de tuas mãos. Tu és tão generoso! Tu me deste uma ótima igreja e uma bela família. Ajuda-me a ver tua obra ao longo do meu dia. E obrigado pelos pássaros. Mesmo que eu não te louvasse, eles continuariam cantando para a tua glória!”.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO
• Como o conhecimento de Jesus muda a maneira como pensamos sobre Deus Pai?
• Ao ver o mundo como um mundo paternal, que diferença isso faz para as suas preocupações? E para os seus prazeres?
• Como a sua atitude mudaria, se você pensasse em si mesmo como o ganhador de um bilhete dourado que lhe desse acesso a um mundo cheio de maravilhas?
• Pense em uma única coisa no mundo que o encha de admiração.

Guia de Estudo EXPERIMENTANDO MAIS DE DEUS, por Tim Chester – Editora Fiel

Pelas mãos do Pai

Como também no deserto, onde vistes que o SENHOR, vosso Deus, nele vos levou, como um homem leva a seu filho, por todo o caminho pelo qual andastes, até chegardes a este lugar. Dt.1.31 

Até aqui, onde você está nesse momento, nessa etapa de sua vida, nesse local onde está morando, onde está trabalhando, estudando, em cada momento que você passou, bom ou ruim, por cada dificuldade, até aquelas que pensou que não iria suportar, e por cada conquista e alegrias que te fez sorrir, em cada parte do caminho que te trouxe até aqui para este exato momento, você não esteve só.Nosso Deus não é um Deus ausente, Ele é Pai, e é um Pai presente e tem um olhar bem atento a cada passo que damos.

Moisés usa essa figura universal, o pai, para ilustrar o amor de Deus ao seu povo, de fato, esses primeiros capítulos de Deuteronômio, são uma extravagante declaração do amor de Deus por nós, hora como guerreiro pelejando por nós, hora nos levando pelo deserto como um homem leva seu filho. E como um homem leva seu filho? Depende da idade não é mesmo? Júlia tem quatro anos e eu gosto de passear com ela segurando sua mão, porém, não é esta a exata imagem que o texto nos proporciona aqui, a palavra “levar” utilizada por Moisés na passagem pode ser também traduzida por “levantar”, “erguer”, isto parece mais com o modo que eu levo o Natan, de um ano e meio, ele já sabe andar, mas é mais seguro leva-lo no colo.

Veja que bela imagem Moisés, sob a inspiração do Espírito Santo, está nos proporcionando, no meio de um deserto de provações e grandes desafios, há um Deus carregando seu povo no colo, como um Pai carrega seu filho pequeno. Assim também, em cada momento de sua vida até aqui, há um Deus, que é Pai, levando você nos braços. Isto realmente revela mais do amor de Deus por nós e deve nos inspirar a viver:

  1. Com confiança – pois estamos nos braços do Pai
  2. Com satisfação – pois estamos no melhor lugar do mundo
  3. Com humildade – pois dependemos totalmente d´Ele

Em Jesus podemos ter livre acesso a presença do Pai para que possamos viver a plenitude que Ele tem preparado para nós, então descanse e aprecie a jornada enquanto é sustentado pelas poderosas mãos do Pai. Jesus te abençoe!

Pr. Eduardo Nunes