Pelas mãos do Pai

Como também no deserto, onde vistes que o SENHOR, vosso Deus, nele vos levou, como um homem leva a seu filho, por todo o caminho pelo qual andastes, até chegardes a este lugar. Dt.1.31 

Até aqui, onde você está nesse momento, nessa etapa de sua vida, nesse local onde está morando, onde está trabalhando, estudando, em cada momento que você passou, bom ou ruim, por cada dificuldade, até aquelas que pensou que não iria suportar, e por cada conquista e alegrias que te fez sorrir, em cada parte do caminho que te trouxe até aqui para este exato momento, você não esteve só.Nosso Deus não é um Deus ausente, Ele é Pai, e é um Pai presente e tem um olhar bem atento a cada passo que damos.

Moisés usa essa figura universal, o pai, para ilustrar o amor de Deus ao seu povo, de fato, esses primeiros capítulos de Deuteronômio, são uma extravagante declaração do amor de Deus por nós, hora como guerreiro pelejando por nós, hora nos levando pelo deserto como um homem leva seu filho. E como um homem leva seu filho? Depende da idade não é mesmo? Júlia tem quatro anos e eu gosto de passear com ela segurando sua mão, porém, não é esta a exata imagem que o texto nos proporciona aqui, a palavra “levar” utilizada por Moisés na passagem pode ser também traduzida por “levantar”, “erguer”, isto parece mais com o modo que eu levo o Natan, de um ano e meio, ele já sabe andar, mas é mais seguro leva-lo no colo.

Veja que bela imagem Moisés, sob a inspiração do Espírito Santo, está nos proporcionando, no meio de um deserto de provações e grandes desafios, há um Deus carregando seu povo no colo, como um Pai carrega seu filho pequeno. Assim também, em cada momento de sua vida até aqui, há um Deus, que é Pai, levando você nos braços. Isto realmente revela mais do amor de Deus por nós e deve nos inspirar a viver:

  1. Com confiança – pois estamos nos braços do Pai
  2. Com satisfação – pois estamos no melhor lugar do mundo
  3. Com humildade – pois dependemos totalmente d´Ele

Em Jesus podemos ter livre acesso a presença do Pai para que possamos viver a plenitude que Ele tem preparado para nós, então descanse e aprecie a jornada enquanto é sustentado pelas poderosas mãos do Pai. Jesus te abençoe!

Pr. Eduardo Nunes

A piedade como instrumento para a Nova Jerusalém

A palavra grega traduzida por piedoso – ósios – significa agradável a Deus, possuidor de autêntica santidade. Russell Shedd afirma que “a primeira exigência de um líder cristão é santidade”. E isto não é tão fácil para o líder como pode parecer.

Mesmo consciente de que sem santificação “ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12.14), ele pode não buscá-la.

O líder corre o risco de apontar um caminho com suas palavras e seguir outro bem diferente em sua vida pessoal. E isto aniquila qualquer ministério, pois “não deve existir separação entre o coração, o caráter e a vida de um homem que é chamado para proclamar a Palavra de Deus e o conteúdo da mensagem que proclama.” Spurgeon fez uma séria advertência aos pastores de sua época que, certamente, é válida para os pastores, presbíteros e líderes de nossa época:

Caros irmãos, rogo a vocês que deem a maior importância à sua santidade pessoal. Vivam para Deus. Se não, o Senhor não estará com vocês; Ele dirá de vocês o que disse dos falsos profetas antigos: “Eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito nenhum a este povo, diz o Senhor”. Vocês podem pregar excelentes sermões, mas se não forem santos em suas vidas, nenhuma alma será salva. É provável que não concluam que a sua falta de santidade é a razão de sua falta de sucesso. Culparão o povo, culparão a época em que vivem, culparão tudo, menos a si próprios; entretanto é aí que está radicado o mal todo.

Outro grande risco que corre aqueles que ministram ao povo de Deus é a banalização do sagrado. Embora consciente de que a Escritura Sagrada é a palavra de Deus, o líder corre o risco de lê-la como se fosse um livro qualquer.

Ser piedoso significa, também, viver na dependência do Senhor. O líder deve ter:

• Uma vida devocional bem disciplinada;
• Uma vida com leitura bíblica diária;
• Uma vida de oração, e uma constante busca de comunhão com Deus.

Vida pessoal piedosa, vida espiritual vibrante e um ministério orientado por Deus são condições essenciais para o verdadeiro êxito no chamado de um líder para a Nova Jerusalém.

Pr. Felipe Abreu