Estudo 13 – Em arrependimento e fé diários, podemos experimentar a liberdade de Deus.

À medida que tenho refletido sobre o significado de deleitar-se em Deus, penso que a razão principal de eu não me deleitar em Deus mais do que tenho feito é que não há arrependimento o suficiente.

Se Deus parece distante, é porque você o mantém à distância. Talvez esteja alimentando a tentação, de sorte que seu coração está dividido. Talvez esteja se escondendo envergonhado. Não há necessidade disso. Deus está pronto a cercá-lo com seu amor infalível.

O arrependimento não parece algo divertido. Ele envolve você admitir que está errado ou dizer não aos prazeres do pecado. Mas pense no arrependimento como a porta de acesso aos prazeres de Deus.

COLOCANDO EM PRÁTICA
A cada dia nesta semana, separe algum tempo para identificar, confessar e rejeitar o pecado. Faça a si mesmo quatro perguntas:

1. Que justificativas estou criando? Muitos de nós odiamos os efeitos do pecado em nossa vida — o sentimento de vergonha ou os relacionamentos rompidos —, mas ainda amamos o pecado em si. Por isso, culpamos a nossa criação, as outras pessoas ou as circunstâncias. Isso permite que nosso pecado permaneça intocável. Mas se você não matar o pecado, o pecado matará você.

2. Como posso fugir da tentação? Não pergunte: “O que é permitido?” ou “Até onde posso ir sem pecar?”. Pergunte a si mesmo: “Quão longe posso correr?”. Como você pode evitar as coisas que o encorajam a pensar de modo pecaminoso? Como você pode evitar situações em que possa ser tentado?

3. Como posso apegar-me a Deus em vez de pecar? Como Deus lhe oferece algo melhor do que o seu pecado? Como você pode incitar suas afeições de modo que o seu amor por Jesus seja maior que o seu amor pelo pecado?

4. Quem pode me ajudar? A quem você pode pedir para encorajá-lo e desafiá-lo? A quem você pode prestar contas? Quem lhe falará francamente? Não busque apenas empatia. Um pouco de empatia é algo bom, porém empatia indiscriminada o encoraja em seu descontentamento ou vitimização. Quem irá levá-lo para longe de suas desculpas e o apontará para Jesus?

AÇÃO
A cada dia nesta semana, separe algum tempo para identificar, confessar e rejeitar o pecado.
Uma manhã de segunda-feira na vida de Marcos e Emanuela
Meia hora depois, Marcos finalmente chega ao trabalho. “Como foi a igreja?”, Bob pergunta. Bob é o único colega cristão de Marcos. Como foi a igreja? A verdade é que a igreja parece ter sido muito tempo atrás. Ontem, o pastor falou sobre um relacionamento com Deus. E, no domingo, parecia ser uma possibilidade real. Mas aquilo foi no domingo, hoje é segunda. Hoje aquilo parece inalcançável. Se ele apenas tivesse mais tempo para orar, então talvez ele pudesse deleitar-se em Deus. Talvez ele pudesse recriar aquele sentimento
que havia desfrutado na manhã de domingo. Ou talvez ele tenha de esperar até o domingo que vem. Domingo que vem? Ainda é apenas a manhã da segunda-feira.
Mas Marcos pensa de novo. Deus deixou suas impressões digitais por toda a manhã da segunda-feira.
Marcos pensa naquele sanduíche de bacon — uma dádiva do seu Pai. Ele pensa no propósito do Pai para com os atrasos do trem (embora aquilo fosse um tanto misterioso) e o deleite de Deus nas orações vacilantes que ele fez pela manhã. Ele pensa na graça do Filho em meio às suas falhas ao longo do dia, sua presença em meio à sua tristeza, seu toque em meio à comunhão. Ele pensa no socorro do Espírito na tentação, sua lembrança da glória vindoura e o modo como o Espírito lhe falara por meio da Palavra de Deus. Até mesmo Bob é um sinal do amor de Deus. Foi uma manhã cheia para Deus!
Pai, tu estás tão envolvido em minha vida, todo dia. Perdoa-me por todas as vezes que te evitei por desejar viver à minha maneira. Eu falho tantas vezes, mas o teu amor é infalível. Quero viver minha vida cercado por este infalível amor”.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO
• Quais são algumas das maneiras pelas quais você minimiza e justifica o pecado ou alimenta a tentação?

• Quais são os seus “ritmos” de arrependimento? Há algo que você precise fazer para inseri-lo em sua rotina?

• O fato de você voltar-se para Deus em arrependimento depende de como você o enxerga. Pense na última vez que você se sentiu culpado pelo pecado. Como você enxergou Deus? Como o Salmo 32.10 nos ensina a enxergar Deus nesses momentos?

• Pense sobre um pecado específico contra o qual você lute. Pergunte a si mesmo: que justificativas estou dando? Como posso fugir da tentação? Como posso apegar-me a Deus em vez de pecar? Quem pode me ajudar?

Guia de Estudo EXPERIMENTANDO MAIS DE DEUS, por Tim Chester – Editora Fiel